sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Quando um ano acaba é hora de morrer



Quando um ano acaba é hora de morrer

Morrer ao que ficou estragado pelo caminho

Morrer para as perdas mal engolidas e compreendidas

Morrer para os tormentos que assolaram a nossa mente

Morrer para o que eu não fui

Morrer para o tempo que perdi

...

Para nascer depois, qual a fênix que surge de suas próprias cinzas

A derrota ensina, a perda abre espaço para o novo

A dor aumenta a compreensão

O morrer para o renascer...

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

...



É no mundo interno que me conecto com as partes do meu Ser ainda desconhecidas

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

O preço do silêncio

Repare bem no que não digo

O meu silêncio grita
A minha garganta me prende
E mais uma vez me vejo engolida pelas palavras alheias e pela necessidade de me calar

Controlar o fogo interno para não queimar o outro me faz
queimar meus dedos, minha boca e meu coração...

Imagem retirada do Google

terça-feira, 25 de outubro de 2016

A necessidade de escrever



Voltar a escrever é como colocar o pé na estrada novamente: você sabe que aventuras, encontros e descobertas são peças obrigatórias. E você vai. Pega a caneta, desliza a mão sob o papel limpo, quase novo se não fosse os borrados do tempo entre seus últimos escritos e o dia de hoje.

Escrever é a chave, registrar é preciso. Colocar a mente na folha e acabar com o silêncio do esquecimento. Esquecer suas palavras é ficar apenas com a sua metade.

Olho para a estrada sensual e me vejo trilhando o território.

Olho para a folha em branco e me vejo trancada em mil palavras desconexas. Lindas, mas desconexas.

Há que se permitir ser contraditório, ás vezes.
Há que se deixar levar pelas letras que estão se renovando.

"Se você vai tentar, vá até o fim, caso contrário, nem comece" (BUKOWSKI, Charles)

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Enfim veio a Luz...


E eu que não acreditava em coisas boas
Ganhei a melhor dádiva

Felicidade não é coisa, é pessoa
Tem nome, sobrenome, olhos azuis e um lindo sorriso

Tudo faz sentido agora que a Luz esta comigo 

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Seus olhos não viram

Você perdeu o momento de nós dois

Não viu minha distância aumentar ?
Não reparaste no meu silêncio no meio da multidão ?
Em que lugar seus olhos estavam, que não me viram indo embora ?

É como deixar o bolo passar do ponto no forno ...
Já não tem mais o gosto saboroso da espera ...
O amargo da rotina, que nem mesmo existia ...





quarta-feira, 6 de novembro de 2013

Não se pode

Não se pode ter o mesmo som de outrora
Não se pode ter o calor que foi repartido, o abraço que foi dado
Não se sonha novamente; um sonho sonhado é mais um passo alcançado
Não se sabe do porvir e do passado não se sabe as antigas respostas

Nada se sabe e disso saberemos
A certeza é ilusão perdida, amor de um ego que tem medo
Não se tem dados sobre a mesa e a vida não é um jogo determinado
Não se pode ter controle e a loucura do não saber vence mais uma vez

Não se pode ter esperança, pois o que foge do agora permanece incrivelmente impossível
Nada se tem e não se pode ter mais do que isso ...

Um pouco do vazio quando não se tem nada nas mãos